Língua e Paladar

 

  Estou pronta para escrever sobre outro sentido: O Paladar.

   É o sentido que nos conecta,até emocionalmente, aquilo que ingerimos e o sentido que transmite ao cérebro o que estamos a comer. Do córtex cerebral partem as ordens de procura, indiferença, ou rejeição de um alimento.

   O sabor de um alimento não advém só do Paladar. Também os outros sentidos estão envolvidos. Costumar-se dizer que os olhos também comem e que quando estamos constipados, obstruídos (nariz e/ou ouvidos) os alimentos não têm o mesmo sabor. Só de tocar num morango já nos lembramos do seu sabor e começamos a salivar.

humantongue_20160508150441712

Anatomia do órgão sensorial: a língua (Breve)

    A língua é o órgão predominantemente muscular que mais agilidade de movimento e que mais formas consegue fazer. É um músculo que conseguimos conscientemente mover, brincar, comer ou beijar. Têm mais algumas funções como mastigar, deglutição, sucção e é onde está o Paladar. O paladar chega a nós (consciência) através das células gustativas que se encontram em maior número na superfície na língua. O paladar é um estímulo do corpo para a digestão que começa na boca ser mais prazerosa. Se assim não fosse, comer seria completamente diferente. Existem portanto quatro tipos de células gustativas, são elas as foliadas, fungiformes (assemelham-se a cogumelos-fungos), filiformes em maior número e as circunvaladas que são grandes e existem entre sete a catorze. Estas células sofrem desgaste devido à mastigação etc e são substituídas mais ou menos de dez em dez dias, consoante idade e saúde da pessoa.

lingua2

 

 Não quero tornar esta breve explicação maçadora portanto basta dizer que essas células com caraterísticas diferentes têm orifícios onde existem vários tipos de células, incluindo células nervosas que levam a informação ao cérebro. As moléculas gustativas comunicam-se através de reações químicas e por exemplo sabe-se que o sabor ácido está relacionado com o número de iões de hidrogénio que um alimento tem. Quantos mais, mais ácida é a sua superfície e o seu sabor. A sensibilidade dos recetores destas células é máxima à temperatura do corpo e é por isso que a comida não tem o mesmo sabor muito fria.

Os sabores:

    Existem cinco sabores e mais um: Ácido ou azedo, doce, amargo, picante,salgado e um outro que falarei mais à frente. Conhecemos bem estes sabores e conseguimos identificá-lo nos seus extremos , por exemplo, sabemos que um rebuçado e um bolo tem sabor doce mas existem outros alimentos que não é tão fácil discernir. Em suma,

Doce – Carbohidratos, proteínas e Gorduras. Sim, um bife tem sabor doce.

Ácido ou azedo – Ácidos orgânicos como nos citrinos.

Salgado – Sais Minerais.

Picante – óleos essenciais ( Cebola, piri-piri, alho, gengibre…).

Amargo – Alcaloídes e Glicosídeos ( Vegetais verdes e amarelos, beterraba).

    Um alimento pode ter vários sabores e um prato várias combinações dos mesmos. O sexto sabor que vos falei é o sabor astringente, este sabor existe na ayurveda, medicina e estilo de vida indianos com milhares de anos. O sabor astringente é aquele que nos parece limpar toda a língua, sendo um sabor diferente dos restantes e não estando relacionado diretamente com nenhuma das glândulas  gustativas, não é considerado sabor na medicina moderna. Este sabor, está presente em alimentos que contenham tininos, presentes em algumas plantas. Está presente portanto nas alfaces, na pele das uvas, nas lentilhas, infusões de plantas etc.

Ayurveda

    Na medicina ayurvédica os alimentos são muito importantes (valor que partilho). Eles tem poder de nos manter saudáveis e de criar desequilíbrios que causam doenças. Se um sabor estiver em falta haverá um desequilíbrio que gera falta dessa energia. Daí vem a crença que quando uma pessoa sente necessidade de comer muitos doces é porque tem desequilíbrio e dar-lhe só doces não vai equilibrar a balança. Deve se ter todos os seis sabores nas nossas refeições mas não sendo possível deve incluir-se esta regra para o dia. Não é fácil pois estamos acostumados ao doce, salgado e ácido aqui no ocidente. É natural que haja uma inclinação para o doce pois é o sabor onde está o que nos dá energia e o corpo sabe disso, não é à toa que é tão agradável, é a forma mais rápida de obter energia. Sabe-se que mesmo que um dos sabores nos “pareça” muito mau , após umas vezes de consumo começasse a gostar, expeto alimentos ligados a traumas (existem traumas de infância associados a alimentos específicos). O sal, sabor salgado apura os outros sabores e o amargo é o sabor de desintoxicação.

    Cada alimento tem a sua energia e o seu sabor, também altera e mexe em delicadas percentagens na nossa energia interior. Pensasse que um dos motivos dos desejos incontroláveis veem de não comermos de forma saudável todos os sabores.

   Este assunto é muito importante, porque vemos as nossas crianças sempre a querer mais uma goma e os nossos adultos com ânsias. Isto pode mudar humores, vidas e carteiras então é importante comermos toda uma gama de alimentos que a natureza dá como prenda para curar-nos, regenerar-nos.

    A primeira vez que ouvi falar sobre este assunto foi num vídeo do youtube de autoria de Nadya Andreeva, chama-se How to prevent sugar cravings, onde ela abordava este assunto. Também li o site do Senhor Deepak Chopra (aconselho). E passei a comer mais comida picante, tem feito diferenças para mim. Existe associado a cada sabor uma alteração nos doshas, que na ayurveda está relacionado com a energia dos elementos da Terra (fogo, ar, terra, água) em nós. 

    As diferenças de cada sabor provoca em nós diferentes reações. Para finalizar vou colocar uma tabela com algumas dessas reações:

 

Sabor

Efeito corporal

Amargo

Desintoxica o corpo dos radicais livres

Doce

Efeito calmante, aumento de massa e sensação de satisfação,fortalece o corpo, aumenta a circulação.

Picante

Promove o suor, limpa sinusite.

Ácido

Estimula o apetite, auxilia na digestão.

Astringente

Limpa, facilita cura.

Salgado

Aumento o apetite, melhora os outros sabores.

  Quero deixar mais uma ideia sobre o tema relacionado com os sabores. Os sabores tem componentes emocionais. Como referia no artigo na infância pode desenvolver-se trauma a maracujá mas também pode desenvolver-se uma afinidade de experiência. Na sociedade os pais muitas vezes presenteiam as suas crianças com um docinho… certo? – Se te portares bem dou-te um chupa. E nós desenvolvemos um relação entre açúcar e felicidade. Conceito frágil não é? Sem querer estamos a criar os nossos adultos que para serem felizes precisam do seu docinho. Esta é uma forma de comer emocionalmente. Há mais… eu ainda as estou a descobrir.

Comam com saúde, Ana.

 

8 thoughts on “Língua e Paladar

  1. Pingback: A pele e o tato
  2. Pingback: Arquivo 2016
  3. Pingback: Açúcar ou Mel

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s